O Barroco brasileiro: O homem em conflito

Por Lais Carballal

O contexto histórico do Barroco em Portugal

O Barroco, na Europa, ocorre durante um contexto histórico relevante, a Reforma Luterana. Esse movimento foi liderado por Martinho Lutero, um professor de teologia muito influenciado por Jan Huss e Santo Agostinho. Durante seus estudos acadêmicos, ele formulou ideias que contrariavam os princípios da igreja. Dentre muitas críticas, pode-se citar a venda de indulgências e a negociação de cargos eclesiásticos (simonia). Uma outra importante questão é que a Igreja defendia que os indivíduos seriam salvos pelos seus atos e, de certa forma, a partir desse princípio, conseguia controlar toda a população. Lutero, percebendo isso, afirma que os indivíduos seriam salvos pela sua fé.

As críticas de Lutero à Igreja fizeram com que ela perdesse poder e começasse a ruir. Consequentemente, o homem desse período, que estava acostumado a ter Deus como entidade capaz de responder todas as questões do mundo, entra num conflito marcado por dois polos: A razão e a emoção(fé).

O contexto histórico do Barroco no Brasil

O barroco, no Brasil, é demarcado pelo período histórico em que os colonos portugueses visitavam nossa terra buscando enriquecer através da exploração da cana-de-açúcar. Para isso, o cenário brasileiro foi de grande violência, visto que havia uma perseguição ao índio e a escravização de negros africanos. Sendo assim, a literatura do Barroco, no território nacional, nasceu sem senso de coletividade e numa atmosfera de ganância, que era oriunda do comércio das matérias-primas.

Os principais autores do Barroco brasileiro

Os principais autores do barroco brasileiro são Gregório de Matos e Padre Antônio Vieira. No entanto, o marco inicial desse movimento literário é a obra Prosopopeia, de Bento Teixeira Pinto.

O padre percebia a literatura como uma missão, visto que propagava as suas ideias no nordeste brasileiro, fossem índios, brancos ou negros. Suas ideias políticas, por exemplo, foram colocadas em prática através da catequese. Ele é muito conhecido por seus sermões (Serão da sexagésima, Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra as de Holanda, Sermão de Santo Antônio e Sermão do mandato), em que demonstra uma retórica impecável em defesa das expressões ideológicas e literárias da Contra-Reforma. Para melhor compreensão, segue um trecho do Sermão da Sexagésima:

Mas como em um pregador há tantas qualidades, e em uma pregação tantas leis, e os pregadores podem ser culpados em todas, em qual consistirá esta culpa? — No pregador podem-se considerar cinco circunstâncias: a pessoa, a ciência, a matéria, o estilo, a voz. A pessoa que é, e ciência que tem, a matéria que trata, o estilo que segue, a voz com que fala. Todas estas circunstâncias temos no Evangelho”.

(Fonte: https://www.todamateria.com.br/sermao-da-sexagesima/)

Gregório de Matos é conhecido pela sua irreverência, visto que é um dos fundadores da poesia lírica e satírica do Brasil. Muito conhecido pela sua sátira, o Boca do Inferno – seu apelido – afrontava os valores e a falsa moral da sociedade baiana e, para isso, criticava diversos grupos sociais, de políticos a escravos, com uma linguagem que agrega vocábulos indígenas e africanos, além de palavras de baixo calão. Leia, atentamente, a poesia satírica, intitulada Triste Bahia, de Gregório de Matos:

Triste Bahia!
ó quão dessemelhante
Estás e estou do nosso antigo estado!
Pobre te vejo a ti, tu a mi abundante.

A ti tricou-te a máquina mercante,
Que em tua larga barra tem entrado,
A mim foi-me trocando e, tem trocado,
Tanto negócio e tanto negociante.

(Fonte: https://www.soliteratura.com.br/barroco/barroco05.php)

As características do Barroco brasileiro

As principais características do movimento são:

  • Dualidade (conflito) entre fé e razão, emoção e razão.

  • Recursos expressivos, como metáfora, inversão, paradoxos, antíteses e hipérbole.

  • Pessimismo

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn