escola aprendiz marinheiro

Aprendizes-marinheiros – escolas e suas origens

escola aprendiz marinheiro

Escolas de aprendizes-marinheiros e suas raízes

 

O nosso país conta ao todo com quatro Escolas de Aprendizes-marinheiros localizadas nos Estados do CearáEspírito SantoPernambuco, e Santa Catarina, todas diretamente subordinadas à Diretoria de Ensino da Marinha – DESNM. Abaixo falaremos um pouco sobre cada uma delas, e no final desse texto, você ainda pode conferir um link com informação mais detalhada sobre como ingressar em uma dessas escolas.

 

Escola de Aprendizes-Marinheiros do Espírito Santo

A sua história remonta à segunda metade do século XIX quando, em 1862, as dependências do antigo Forte de São Francisco Xavier de Piratininga foram cedidas à Marinha do Brasil, passando a Escola de Aprendizes de Marinheiros. Seu primeiro comandante o Capitão-Tenente José Lopes de Sá. Entretanto, essa primeira escola veio a ser extinta em 1866.

À época da República Velha, as instalações do antigo forte foram ampliadas por um decreto legislativo. Era então a Escola de Aprendizes-Marinheiros do Espírito Santo, inaugurada a 1° de abril de 1909, sendo que também foi extinta em 1913.

Em 1952, o Capitão de Corveta Paulo Cezar Ribeiro deslocou-se ao Espírito Santo, com a missão de entrar em entendimentos com o então Governador, Jones Santos Neves, para proceder à escolha de um local apropriado para a nova instalação da EAMES. O escolhido foi a Enseada do Inhoá.

À época após os trâmites jurídico-administrativos, iniciou-se a construção do primeiro edifício da EAMES, a Usina Elétrica. As construções dos demais edifícios prosseguiram em ritmo acelerado, sendo concluídas em janeiro de 1960.

Instalações e Recursos

As atuais instalações da Escola contam com, doze salas de aula todas adaptadas ao ambiente multimídia; dois laboratórios de informática com cinquenta estações de trabalho cada; um laboratório de Eletricidade/Eletrônica; um laboratório de elementos de Máquinas; uma biblioteca multimídia; um navio de pedra e uma torre de sinais (para instrução de Comunicações Interiores e de noções de navegação e Marinharia); dois simuladores de Marinharia (para noções de faina de transferência de carga leve); um tambor gigante apelidado de Minimaracanã, usado para exercícios de combate a incêndio; um píer com vinte escaleres a remo e dois escaleres à vela; um stand de tiro; áreas de esporte com pistas de Atletismo; quatro campos de futebol; duas quadras poliesportivas; uma piscina; uma área de lazer com sauna e cantina. Atualmente, segundo o próprio site da Escola, ela tem capacidade para abrigar até 540 alunos.

 

Escola de Aprendizes-Marinheiros do Ceará

Sob o título de Companhia de Aprendizes-Marinheiros, a Escola foi criada em 26 de novembro de 1864, mas foi instalada somente em 26 de fevereiro de 1865. Funcionou, inicialmente, com um pequeno número de aprendizes, em modesta casa da antiga Rua da Praia. Transferiu-se, posteriormente, para um prédio, tipo barracão, situado próximo ao Poço da Draga, antigo porto da cidade de Fortaleza, local onde atualmente funciona a Secretaria da Fazenda do Estado (SEFAZ). A formação do Aprendiz-Marinheiro compreendia o curso primário e os elementos profissionais, estritamente necessários ao desempenho do serviço de bordo. Por ocasião da Guerra do Paraguai houve uma ampliação das instalações com a finalidade de formar 300 aprendizes/ano para atender a demanda da Esquadra à época. No início do século, especificamente na data de 01 de outubro de 1908, e já com a denominação de Escola de Aprendizes-Marinheiros do Ceará, foi transferida para Jacarecanga, onde passou a ocupar um prédio de dois andares. No período de 05 de novembro de 1931 a 26 de maio de 1940, a Escola foi extinta e todo o seu material e demais pertences foram distribuídos para as demais escolas. Após reestabelecida houve ampliação das instalações físicas, que permitiram à Escola propiciar melhor apoio a seus alunos, como também assumir tarefas subsidiárias determinadas pela própria evolução e reorganização da Marinha. Hoje, a EAMCE tem estrutura adequada e é capaz de formar cerca de 500 marinheiros por ano, além de prover assistência médica-odontológica, psicológica, jurídica e social aos militares da ativa e da reserva da Marinha no Ceará, bem como a dependentes e pensionistas.

Projeto social

Segundo o site da escola, ela também conta com projeto social PROGRAMA SEGUNDO TEMPO FORÇAS NO ESPORTE (PROFESP).

O PROFESP é oriundo do Governo Federal. Com o objetivo de promover, por meio da prática esportiva, a integração social, a promoção à saúde, prevenção à marginalidade das crianças e jovens; através de mecanismos que possibilitem à inclusão social, valorização da cidadania, a inserção no trabalho, como um processo social de desenvolvimento e fator de preservação da soberania.

O programa é desenvolvido pelo Ministério da Defesa que disponibiliza a infra-estrutura, coordenadores, transporte e monitores nas Organizações de Marinha, do Exército e da Aeronáutica para execução das atividades inerentes ao referido programa; o Ministério do Esporte oferece as ações de material esportivo, pagamento de professores e estagiários; e o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome com ações relacionadas à alimentação.

As atividades são desenvolvidas semanalmente, com turmas no período da manhã e da tarde, no contra turno escolar de crianças e pré-adolescentes moradores da comunidade circunvizinha à EAMCE, atendendo bairros como Pirambú e Moura Brasil.

Você pode conferir uma galeria de fotos no site da escola.

 

Escola de Aprendizes-Marinheiros do Pernambuco

Teve início em 27 de Agosto de 1840 com a criação da 1º COMPANHIA DE APRENDIZES-MARINHEIROS, por meio da Lei nº 148, na administração do Exmo. Sr. ANTONIO FRANCISCO DE PAULA HOLLANDA CAVALCANTE DE ALBUQUERQUE, o então “Visconde de Albuquerque”.

Dezessete anos após a criação da 1º Companhia de Aprendizes-Marinheiros, o Imperador D. Pedro II, em 24 de outubro de 1857, determina a criação da Escola de Aprendizes-Marinheiros de Pernambuco, elevando assim o status desta renomada instituição ao nível de Escola.

Durante seus primeiros anos a EAMPE teve como sede o navio Brigue “Cearense”, onde sofreu sua primeira inspeção de instalações realizada pelo próprio Imperador D. Pedro II. Alguns anos após a EAMPE sofreu várias transferências de sede, tendo sido instalada em um dos telheiros do velho Arsenal de Marinha do Recife, no Vapor Misto “Recife” e no prédio onde hoje funciona a Capitania dos Portos de Pernambuco.

Em face da grandeza de sua missão e de sua importante contribuição para o Poder Naval, em 1948 a EAMPE foi transferida para a sua sede atual localizada na cidade de Olinda.

Ao longo da história desta secular instituição, está registrada a participação de seus guerreiros na Guerra do Paraguai, na 1º Guerra Mundial nos navios da Divisão Naval em Operações de Guerra (DNOG) e na 2º Guerra Mundial nos navios escolta de comboio.

O legado deixado pelos heróis aqui forjado e as exigências do mundo moderno tem impulsionado a EAMPE na busca do aprimoramento na formação técnica e militar dos futuros guerreiros do mar.

Ver fotos no site.

 

Escola de Aprendizes-Marinheiros de Santa Catarina

Em face aos diversos conflitos internos e guerras externas, no Período Regencial, a Marinha sente a necessidade de organizar e recrutar seu pessoal. A Companhia de Aprendizes-Marinheiros de Santa Catarina foi criada juntamente com a de Pernambuco. Por regulamento, a Companhia de Santa Catarina deveria ser formada por duas Divisões, a primeira seria aquartelada na capital (em Desterro) e a segunda, na cidade da Laguna. O Comandante desta Instituição seria subordinado diretamente ao Capitão do Porto da Província.

Inicialmente, a Escola de Aprendizes-Marinheiros de Santa Catarina (EAMSC) foi instalada junto à Capitania do Porto que, na época, localizava-se na Rita Maria, passando pouco tempo depois para o Forte de Sant’Anna. Posteriormente, teve sede em diversos locais, tais como: a bordo do Transporte Tapajós, a bordo da barca São Francisco, na ala do Quartel do Campo do Manejo, no prédio da Praia de Fora, no edifício que serviu de Hospedaria de Imigrantes em Coqueiros, onde hoje está instalado o Portal Turístico. Ali, permaneceu até o seu fechamento, em 1943, quando foi iniciada a construção das atuais instalações inauguradas em 24 de outubro de 1950.

Sempre fiel às tradições navais, a EAMSC tem buscado ao longo de todo esse tempo um contínuo aprimoramento técnico-pedagógico, permitindo uma atualização constante da capacidade profissional do seu corpo docente, de modo a propiciar uma adequada absorção da sempre presente evolução tecnológica da área de ensino, no intuito de oferecer aos seus alunos um aprendizado de alta qualidade, em consonância com o estado da arte, inserido na atual tendência mundial de globalização a que estamos continuamente sendo submetidos.

Ver fotos no site.

 

Como entrar nas escolas de aprendizes-marinheiros?

É necessária aprovação em concurso, as provas não são difíceis, desde que você esteja disposto a estudar. A melhor maneira de estudar é com profissionais especializados em preparar estudantes para as provas dessas escolas. Com escolas de qualidade assim no país não vão faltar motivos para você querer se tornar um aprendiz de marinheiro. Você pode conferir explicações mais detalhadas sobre formas e condições de ingresso aqui.

 

Estude Conosco

Todo o ano o Curso Maciel aprova alunos para a Escola de Aprendizes-Marinheiros, pois aqui temos profissionais capacitados e conhecemos bem como são essas provas. Preparamos o aluno com um estudo muito bem direcionado. Se você está interessado em ingressar em uma dessas escolas, se prepare conosco!

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn